sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

DESABAFOS DE UMA MÃE

Nadijane Macedo 31 de janeiro de 2013 01:02
AMIGAS! HJ VIM DIVIDIR COM VCS A MINHA TRISTE HISTORIA.

Alexandre Macedo Fraga, 17 anos de idade, fruto do meu 1º casamento era um adolescente tranquilo, muito querido por todos, totalmente desprovido de vícios tinha o sonho de se formar em direito e fazer carreira na Marinha, onde através de amigos já tínhamos tudo encaminhado.

Ele estava feliz pois tinha passado de ano, então foi passar o final de semana na casa do pai, no dia 19/01/2008 ele pegou a moto do pai e se reuniu com 10 amigos, inclusive dois estavam com suas noivas, totalizando seis motos, foram pro bairro de Portoseco Pirajá, Salvador-Bahia, treinar a pilotar, por volta de 21:15h.

Os meninos estavam fazendo o retorno para voltarem pra casa quando chegou uma viatura da policia militar da 47ª companhia, de placa JPZ 3575 com um motorista, soldado Idelson de Jesus e o tenente Juraci Adaes Motta jr, que após darem um cavalo de pau com a viatura apagaram os faróis quando a 5ª passou eles atiraram atingindo meu filho na cabeça que em questão de segundos caiu, meu filho estava na carona pois deixou um dos colegas na direção.

Os colegas tentaram pegar meu filho que estava no chão mais tiveram que abandonar o local pois os policiais continuaram atirando, então saíram feito loucos e foram chamar o pai de Alexandre que chegou ao local cerca de 30 a 40 minutos após não encontrando mais ninguém, só um poça de sangue, meu ex-marido que estava acompanhado dos colegas do meu filho que se encontravam na hora do crime saíram a procura nos principais hospitais enquanto quatro dos colegas foram a delegacia relatar o ocorrido que foi aconselhado pelo delegado a procurarem nos hospitais, foram ao HGE (Hospital Geral do Estado) e nada, foram ao Hospital Roberto Santos e nada, só quando chegaram no hospital Ernesto Simões foram informados de que um corpo estava descendo pro HGE, voltaram correndo pra lá onde os assassinos acabara de chegar colocando o corpo do meu filho já sem vida no chão, isso às 23:48h, alegando que Alexandre era marginal e que fora atingido numa troca de tiros, os colegas se revoltaram pois sabiam da índole do meu filho e disseram que iam chamar a imprensa.

Dois dos colegas são moto-boys e ligaram pro presidente do sindicato, Sr, Henrique Baltazer que chegou quase na mesma hora ao HGE, que junto com os colegas questionou a acusação, o tenente então foi na viatura, pegou um envelope e pediu a uma funcionária do hospital que queria fica a sós com o corpo do meu filho, um funcionário do SAMU percebendo que ele queria implantar provas contra meu filho alertou os colegas de Alexandre que ficaram junto ao corpo mesmo sendo ameaçados pelos policiais, então os policiais saíram e quando eu fui informada por um telefonema de que meu filho havia sofrido um acidente corri imediatamente pra lá onde fiquei sabendo , lembro que uma assistente social do HGE me disse: seu filho era um menino de bem, pois não chegou nem com vestígios de álcool e nem de drogas e era muito querido pelos colegas e que os colegas tb eram meninos de bem pois tb não tinham vestígios de álcool e nem de drogas.

Às 02h da madrugada os policiais chegaram a 10ª delegacia e registraram um alto de resistência onde alegaram que receberam um telefonema de uma mulher de pré-nome Graça, dizendo que o marido dela estava num caixa eletrônico em Portoseco Pirajá e que tinham uns motoqueiros na porta do banco para assalta-lo.

Só que a farsa deles caiu por terra pois no dia seguinte logo pela manhã eu já estava em todos os jornais e TVs clamando por justiça então esse homem que esteve no caixa eletrônico vendo todo reboliço que criei chegou pra uns policiais que estavam parados no bairro onde ele mora e contou foi ele que estivera no cx. eletrônico e que não viu e nem mencionou moto alguma, que quando ele entrou no cx. eletrônico aporta emperrou com ele dentro, que nesse exato momento chegou um carro de 4/portas preto, com dois homens, que um saiu do carro e tentou entrar no cx. eletrônico como não conseguiu pediu que o sr. que estava dentro abrisse e ele respondeu que não, que com medo de que se tratasse de marginais ligou para uma amiga, então ele foi aconselhado a ir na delegacia prestar depoimento como acima mencionado de que não viu e nem mencionou em momento algum moto.
Esse senhor manteve seu depoimento na delegacia, na Corregedoria da policia militar e no fórum Ruy Barbosa, assim como todos os colegas que estavam na cena do crime.

Exames feito em meu filho:

Pólvora combusta:NEGATIVO
Alcoolêmia: NEGATIVO
Toxicológico: NEGATIVO

O tiro foi dado pelas costas, atingindo meu filho na nuca com uma arma de calibre .40 da policia.

Eles respondem por homicídio qualificado, por motivo fútil, a traição e de emboscada, o processo rola na justiça desde 2008 e só em 09/2012 foi dado a sentença de pronuncia, eles foram sentenciados a juri popular mas, recorreram e o processo encontra-se no Tribunal de Justiça, isso pq eles respondem em liberdade e trabalham normalmente.

O caso teve repercussão a nível nacional pois foi uma sequencia de crimes envolvendo policiais aqui em Salvador. Pra se ter uma ideia no ano de 2010 foram marcadas 04 audiências e todas foram adiadas, por duas vezes alegaram que não haviam localizado o processo (sumido) ai eu fui num programa de tv e desci o verbo no judiciário e no governador pois na minha concepção o governador faz vistas grossas, uma vez que a policia é de competência do governo do estado e ele nem os afastam do serviço. Fui ao programa com xerox de todo o processo e antes mesmo de chegar em casa recebi uma ligação do fórum dizendo que o processo havia sido encontrado.

O tenente é sobrinho de um major que é comandante de um batalhão, tentaram usar usar a influencia deles desde a delegacia mais como DEUS é um PAI MARAVILHOSO colocou uma delegada titular e o escrivão muito honestos....... que desde o inicio viu que tudo era armação, que eles assassinaram meu filho entre 21:15 e 21:25hs. que ficaram rodando com ele agonizando ate que morresse e que nesse espaço de tempo aconteceu o episodio no cx. eletrônico com o sr. Romão, que eles pegaram um outro caso.

Criei meu filho com tanto amor.......sou vice-presidente da COMBEVIL (Conselho de Moradores da Bela Vista do Lobato e Adjacências) Fui delegada do Orçamento Participativo da Prefeitura por dois mandatos onde meu filho sempre me acompanhava na luta por melhorias pra nossa comunidade, ele ajudou na eleição do conselho municipal de saúde.

Em dezembro de 2007 fizemos um bingo beneficente (Natal sem fome) com premiações: geladeira, fogão, tanquinho, liquidificador e ferro de passar, onde o preço da cartela foi kg de alimento não perecível, conseguimos arrecadar mais de tonelada, meu filho carregou todo esse peso, me ajudou a fazer as cestas básicas e distribuir para as famílias carentes e um mês após ceifam a vida dele covardemente, um adolescente exemplar...... que frequentava igreja evangélica

não falo isso pra me aparecer mais sim pra que vcs tenha uma ideia da nossa vida e do que fizeram conosco, sou voluntaria do CEDECA (Centro de Defesa do Menor e Adolescente) e tenho mães que ajudo nessa luta por justiça somos muito unidas, estamos sempre presentes em audiências, julgamentos e passeatas, como no Grito dos Excluídos e em 02/07 dia da Independência da Bahia.

Um comentário:

  1. nadjane preciso do seu contato pois não sei o que fazer meu filho foi assassinado 29 de janeiro por policiais também mas tenho medo deles eles são covardes preciso trabalhar me exponho nas ruas todos os dias e tenho mais 02 filhos um de 06 e outro de 11 anos e tenho medo que eles se vinguem se eu correr atras desse prejuizo que eles me deram matando meu filho de apenas 18 anis de uma forma covarde e violenta me ajude nessa luta eles precisam pagar será que essa impunudade nunca vai terminar?

    ResponderExcluir